Por que acreditar na ressurreição



Solicitamos su permiso para obtener datos estadísticos de su navegación en esta web, en cumplimiento del Real Decreto-ley 13/2012. Si continúa navegando consideramos que acepta el uso de cookies. OK | Más información
 
 

Por que deveria acreditar na ressurreição de Cristo?



Pergunta: "Por que deveria acreditar na ressurreição de Cristo?"

Resposta:
É um fato bem estabelecido que Jesus foi executado publicamente em Judeia no Primeiro Seculo D.C., sob a autoridade de Pôncios Pilatos, atraves da crucificação, por exigência do Sinedrio judeu. As narrativas historicas de não-Cristãos como Flavio Josefo, Cornelio Tacito, Luciano de Samosata, Maimônides e ate mesmo do Sinedrio judeu atestam a veracidade das narrativas das testemunhas oculares Cristãs desses aspectos historicos tão importantes da morte de Jesus Cristo.

Quanto a Sua ressurreição, ha varias linhas de evidência que fazem desse caso um caso irrefutavel. Um advogado famoso resumiu o entusiasmo e confidência Cristãos pela solidez do caso da ressurreição quando escreveu: “Tenho sido um advogado de defesa por mais de 42 anos, trabalhando em muitas partes do mundo e ainda estou com a minha pratica bem ativa. Tenho sido afortunado por ter tantos sucessos em julgamentos e posso dizer sem qualquer equivoco que a evidência para a ressurreição de Cristo e tão impressionante que força a aceitação de suas provas, não deixando espaço nenhum para quaisquer duvidas.”

A resposta da comunidade secular à mesma evidência tem sido praticamente indiferente por causa do seu compromisso tão leal ao naturalismo metodologico. Para os que não são familiares com o termo, naturalismo metodologico e o esforço humano de explicar tudo em termos de causas naturais e causas naturais apenas. Se um certo evento historico desafia qualquer explicação natural (ex: ressurreição milagrosa), estudiosos seculares geralmente tratam o assunto com um cepticismo impressionante, independente de qualquer evidência, não importando quão favoravel e convincente ela possa ser.

Ao nosso ver, um compromisso tão firme às causas naturais independentemente de qualquer evidência real não e propicio a uma investigação imparcial (e portanto adequada) dessa mesma evidência. Um cientista e historiador mais balanceado disse: “Ser forçado a acreditar em apenas uma conclusão.... violaria a propria objetividade da ciência.” Tendo dito isso, vamos agora examinar as varias linhas de evidência que favorecem a ressurreição.

A primeira linha de evidência para a ressurreição de Cristo

Para começar, temos o depoimento comprovadamente sincero de testemunhas oculares. Os apologistas Cristãos da antiguidade citaram centenas de testemunhas oculares, algumas das quais documentaram suas proprias experiências. Muitas dessas testemunhas deliberadamente e resolutamente aguentaram torturas prolongadas e morte, ao inves de rejeitarem seu depoimento. Esse fato comprova sua sinceridade, excluindo decepção de sua parte. De acordo com o registro historico (O livro de Atos 4:1-17; As Cartas de Plinio a Trajano X, 96, etc), a maioria dos Cristãos poderia dar um fim ao seu sofrimento so por renunciar sua fe. Ao inves, aparenta ser o caso que a maioria optou por aguentar o sofrimento e proclamar a ressurreição de Cristo ate à morte.

Enquanto que martirio e notavel, não e necessariamente convincente. Não valida a crença da mesma forma que autentica aquele que nela acredita (por demonstrar sua sinceridade de forma tangivel). O que faz os Cristãos da antiguidade martires formidaveis e que eles sabiam se o que estavam declarando era verdade ou não. Eles ou viram Jesus Cristo vivo e bem depois de Sua morte ou não. Isso e extraordinario. Se tudo fosse uma mentira, por que tantos continuariam a defendê-la dadas as circunstâncias? Por que todos iriam conscientemente se apegar a uma mentira tão inutil à face de perseguição, aprisionamento, tortura e morte?

Enquanto os sequestradores de 11 de setembro de 2001 sem duvida acreditavam no que proclamavam (como evidenciado por sua disposição de morrer pelo que acreditavam), eles não podiam saber e não sabiam se era verdade. Eles colocaram sua fe em tradições que foram passadas a eles por muitas gerações. Ao contrario, os martires Cristãos da antiguidade foram a primeira geração. Ou eles viram o que clamavam ter visto ou não.

Entre as testemunhas oculares mais conhecidas estão os Apostolos. Eles coletivamente passaram por uma mudança inegavel depois das aparições do Cristo pos-ressurreto. Imediatamente a seguir da ressurreição eles se esconderam com medo por suas proprias vidas. Depois da ressurreição, eles foram às ruas, corajosamente proclamando a ressurreição, mesmo à face de fortes perseguições. O que era responsavel por sua mudança dramatica e repentina? Com certeza não era ganho financeiro. Os Apostolos renunciaram a tudo que tinham para pregar a ressurreição, incluindo suas proprias vidas.

A segunda linha de evidência para a ressurreição de Cristo

A segunda linha de evidência tem a ver com a conversão de certos ceticos importantes; mais notavelmente Paulo e Tiago. Paulo era por sua propria descrição um perseguidor violento da Igreja Cristã primitiva. Depois do que ele descreveu como um encontro com o Cristo ressurreto, Paulo passou por uma mudança drastica e imediata, de um perseguidor brutal da Igreja a um dos seus mais prolificos e desprendidos defensores. Como muitos Cristãos primitivos, Paulo sofreu empobrecimento, perseguição, surras, aprisionamento e execução por seu compromisso firme à ressurreição de Cristo.

Tiago era cetico, apesar de não ter sido tão hostil quanto Paulo. Um suposto encontro com o Cristo pos-ressurreto o transformou em um crente inquestionavel, um lider da Igreja em Jerusalem. Ainda temos o que os estudiosos geralmente aceitam como uma das suas primeiras cartas à igreja primitiva. Como Paulo, Tiago voluntariamente sofreu e morreu por seu testemunho, um fato que sustenta a sinceridade de sua crença (veja O Livro de Atos e o livro de Josefo chamado A Antiguidade dos Judeus XX, ix, 1).

A terceira e quarta linhas de evidência para a ressurreição de Cristo

A terceira e quarta linhas de evidência preocupam-se com o testemunho do tumulo vazio e com o fato de que fe na ressurreição foi estabelecida em Jerusalem. Jesus foi executado publicamente e enterrado em Jerusalem. Teria sido impossivel para fe em Sua ressurreição se estabelecer em Jerusalem enquanto o Seu corpo ainda estava no tumulo, sendo possivel que o Sinedrio desenterrase Seu corpo, e o colocasse em exibição publica, conseguindo, portanto, expor a farsa. Ao inves, o Sinedrio acusou os discipulos de terem roubado o corpo, aparentemente um esforço para explicar seu desaparecimento (e consequentemente a tumba vazia). Como podemos explicar o fato do tumulo vazio? Veja a seguir as três explicações mais comuns:

Primeiro, os discipulos roubaram o corpo. Se esse tivesse sido o caso, eles saberiam que a ressurreição era uma farsa. Não teriam sido, portanto, tão dispostos a sofrer e morrer por sua crença (veja a primeira linha de evidência sobre a declaração comprovadamente sincera das testemunhas oculares). Todas as supostas testemunhas oculares saberiam que não tinham realmente visto Cristo e estavam, portanto, mentindo. Com tantos conspiradores, alguem com certeza teria confessado; se não para dar um fim ao seu proprio sofrimento, pelo menos para dar um fim ao sofrimento de seus amigos e familiares. A primeira geração de Cristãos foi absolutamente brutalizada, principalmente depois do grande incêndio em Roma em 64 D.C. (um fogo que Nero supostamente ordenou para criar mais espaço para a expansão de seu palacio, mas que ele culpou os Cristãos em Roma como uma tentativa de se justificar). Como o historiador romano Cornelio Tacito relatou no seu livro Os Anais de Roma Imperial (publicado apenas uma geração depois do incêndio):

“Nero culpou e infligiu as torturas mais intensas em uma classe odiada por suas abominações, chamada o povo Cristão. Christus, de onde o nome se originou, sofreu grande penalidade durante o reino de Tiberio nas mãos de um dos seus procuradores, Pôncio Pilatos, e uma superstição maligna, assim marcada durante aquele momento, novamente explodiu não so em Judeia, a primeira fonte do mal, mas ate em Roma, onde todas as coisas abominaveis e vergonhosas de todas as partes do mundo acham seu destino e se tornam popular. Assim sendo, aprisionamento foi feito de todos que reconheceram-se culpados; então, depois da confirmação, uma imensa multidão foi condenada, não tanto pelo crime de ter queimado a cidade, mas por odio contra a humanidade. Gozação de todo tipo foi adicionada às suas mortes. Cobertos com pele de animais, eles foram dilacerados por cachorros e morreram, ou eram pregados à cruz, ou eram condenados às chamas e queimados, para servirem como iluminação noturna, quando a luz do dia tinha acabado.” (Anais, XV, 44).

Nero iluminou suas festas no jardim com Cristãos que eram queimados vivos. Com certeza alguem teria confessado a verdade estando sob a ameaça de tão grande dor. No entanto, o fato e que não temos nenhum registro de Cristãos primitivos renunciando sua fe para dar um fim ao seu sofrimento. Pelo contrario, temos varios registros do aparecimento de centenas de testemunhas apos a ressurreição dispostas a sofrer e morrer por tal causa.

Se os discipulos não roubaram o corpo, como então podemos explicar o tumulo vazio? Alguns sugerem que Cristo fingiu Sua morte e depois escapou do tumulo. Isso e simplesmente absurdo. De acordo com o relato das testemunhas, Cristo foi espancado, torturado, lacerado e apunhalado. Ele sofreu dano interno, grande perda de sangue, asfixia e uma lança rasgou-lhe o coração. Não ha nenhum bom motivo para acreditar que Jesus Cristo (ou qualquer outro homem) poderia sobreviver tal experiência, fingir Sua morte, sentar no tumulo por três dias e noites sem atenção medica, comida ou agua, remover a grande pedra que selava o tumulo, escapar sem ser pego (sem deixar um rastro de sangue), convencer com boa saude cententas de testemunhas que Ele ressuscitou dos mortos e então desaparecer sem deixar nenhum rastro. Tal ideia e ridicula.

A quinta linha de evidência para a ressurreição de Cristo

Finalmente, a quinta linha de evidência tem a ver com a peculiaridade do relato das testemunhas. Em todas as narrativas mais importantes, acredita-se que mulheres são as primeiras e principais testemunhas. Essa seria uma novidade estranha, ja que nas culturas judaica e romana, mulheres eram severamente desprezadas. Seu testemunho era considerado sem substância e dispensavel. Levando esse fato em consideração, e bem improvavel que qualquer criminoso de uma farsa na Judeia do primeiro seculo escolheria mulheres como suas testemunhas principais. De todos os discipulos masculinos que clamaram terem visto Jesus ressurreto, se estivessem mentindo e a ressurreição era um golpe, por que então eles escolheram as mais desrespeitadas e desconfiadas testemunhas que podiam achar?

Quando você entende o papel da mulher na sociedade judaica do primeiro seculo, o que e realmente extraordinario e que a historia do tumulo vazio deveria retratar mulheres como as primeiras descobridoras do tumulo vazio. Mulheres estavam muito abaixo na escada social da Palestina do primeiro seculo. Ha proverbios rabinicos antigos que dizem: "Que as palavras da Lei sejam queimadas antes de serem entregues às mulheres" e "feliz e aquele cujos filhos são homens, mas desgraça daquele cujos filhos são mulheres". O testemunho de mulheres era considerado tão sem valor que elas nem podiam servir como testemunhas legais em uma corte judicial judaica. Levando isso em consideração, e absolutamente impressionante que as principais testemunhas do tumulo vazio são essas mulheres.... Qualquer registro legendario mais recente com certeza teria retratado discipulos masculinos como os descobridores do tumulo – Pedro ou João, por exemplo. O fato de que mulheres foram as primeiras testemunhas do tumulo vazio e mais bem explicado pela realidade de que – goste ou não – elas foram as descobridoras do tumulo vazio! Isso mostra que os autores dos Evangelhos gravaram fielmente o que aconteceu, mesmo que era embaraçoso. Isso evidencia a historicidade dessa tradição ao inves de sua posição social legendaria.

Em resumo

Essas linhas de evidência: a sinceridade demonstravel das testemunhas (e, no caso dos Apostolos, mudança inexplicavel e convincente), a conversão e sinceridade demonstravel de antagonistas importantes e ceticos que se tornaram martires, o fato do tumulo vazio, confirmação do inimigo do tumulo vazio, o fato de que tudo isso aconteceu em Jerusalem onde fe na ressurreição começou e floresceu, o testemunho das mulheres, o significado de tal testemunho dado o seu contexto historico; todos esses fatos confirmam fortemente a historicidade da ressurreição. Gostariamos de encorajar nossos leitores a cuidadosamente considerar essas evidências. O que elas sugerem para você? Depois de termos nos mesmos ponderado sobre elas: “a evidência para a ressurreição de Cristo e tão impressionante que força a aceitação de suas provas, não deixando espaço nenhum para quaisquer duvidas.”


Voltar à pagina principal em português

Por que deveria acreditar na ressurreição de Cristo?